Tecnologia, a maior aliada para gestão da medicina.

A medicina moderna e a tecnologia já são inseparáveis. A descoberta dos raios X pelo físico alemão Wilhelm Conrad em 1895, e pouco tempo depois um fisiologista holandês chamado Willem Einthoven inventando o primeiro eletrocardiógrafo marcam dois dos grandes passos que a tecnologia tomou em prol da saúde e bem estar das pessoas. Desde então, a tecnologia criada para a medicina se amplia e evolui exponencialmente em todas suas partes.

Hoje em dia, podemos ter uma noção do toda essa evolução quando vemos a variedade de máquinas que existem para os mais diversos exames, pessoas vivendo com marcapassos, implantes, próteses, novos medicamentos descobertos, grandes epidemias sendo controladas em um menor tempo e etc. Mas, como estudante de tecnologia e sistemas que sou, aprendi que “A tecnologia mais eficiente é aquela que nós não vemos ou percebemos”, com isso notei que deixamos de lado, ou talvez não damos a devida importância no estudo e toda tecnologia destinada para armazenar e gerir todas essas informações criadas dentro da medicina.

Alguns podem até afirmar que a medicina só evoluiu devido aos métodos como a informação começou a ser organizada.
O desenvolvimento da arte médica ganhou grande força quando as primeiras revistas científicas começaram a ser editadas. Isso só aconteceu porque alguns centros começaram a guardar e organizar de forma cartesiana a grande quantidade de dados gerados por uma série de casos. Nos seus mais de 200 anos, o New England Journal of Medicine é uma das mais antigas revistas científicas do mundo, e, como tantas outras revistas que o sucederam, deram as bases para que o conhecimento científico fosse organizado e propagado nos livros, que certamente nos dias de hoje são encontrados online em ebooks, artigos online, sites especializados para aprender ou aprofundar em determinado assunto e/ou caso específico, fóruns e grupos de discussão online e etc.

Fora a tecnologia para organização e ganho de conhecimento, também devemos dar importância para tecnologia que conecta médicos, pacientes, entidades de saúde e agências reguladoras. Tendo base o sistema privado de saúde brasileiro, vejo o quanto é necessário uma boa gestão de todas as ferramentas utilizadas nas mais diversas áreas que as entidades de saúde abrangem, processos que antes não eram controlados sistematicamente hoje se tornam indispensáveis, além disso, quanto mais rápido e preciso determinada informação estiver nas mãos dos atores da medicina, podemos ter vários e distintos benefícios como a economia gerada entre alguns processos, a rapidez na troca de informações, a facilidade na comunicação com as agências reguladoras tudo isso refletindo qualidade do serviço prestado e na saúde de seus beneficiários.

Com tantos processos e tantas possibilidades na área de saúde, a CloudMed trabalha para prover à seus parceiros, soluções que agilizam camadas específicas da saúde, conheça 4 delas:

Portal de Compras – Gestão de OPME, Materiais e Medicamentos

XTISS – Validador e Gerador de arquivos XML no padrão TISS

GEDWEB – Gestão Eletrônica de Documentos

IEPC – Gestão de Intecâmbio para Produtos Complementares

A tecnologia têm desempenhado um papel fundamental nos avanços da medicina moderna, assim como eu disse no meu post anterior que o “Cloud computing é um caminho sem volta“, digo nesse post que a tecnologia na vida das pessoas em benefício da saúde também um caminho sem volta, caminho esse que já foi iniciado há muito tempo. Digo isso não no sentido de que um dia seremos totalmente dependentes da tecnologia para sobrevivermos, mas sim que podemos utilizá-la cada vez mais para nosso puro benefício, estendendo, salvando e (quem sabe em algum dia) criando vidas. Obrigado e até mais!

Por Lander Malta.

Médico Concierge, já ouviu falar ?

Médico Concierge, é uma nova tendência mundial, iniciada nos Estados Unidos. Trata-se de médicos, não exclusivamente clínicos gerais que atuam no atendimento de pacientes em seus domicílios, de uma forma bem personalizada.  Nos Estados Unidos estes profissionais ficam disponíveis  24 horas por dia, e chegam até a acompanhar seus pacientes em outros especialistas.

Este profissional, tem como principal função avaliar, coordenar e direcionar seu paciente a buscar o melhor caminho para resolução de uma determinada situação, envolvendo sua saúde. Com o foco voltado para o paciente, o mesmo cria vínculos com a família, tornando-se assim, aqui no Brasil, “Médicos da Família”.

Esta nova modalidade tem sua importância em vários sentidos:

  • primeiro o médico passando a conviver com o paciente e seus familiares, começa a conhecer todo o histórico e a partir deste, montar um prontuário completo de seus pacientes.
  • Outro detalhe importante é o fato do paciente não ter que ficar indo de médico em médico procurando solução para o seu problema. O médico da família irá avaliar e assim se necessário direciona-lo ao melhor profissional.
  • Interação entre os médicos da família e especialistas. Esta interação traz grandes benefícios, pois o médicos podem entre si discutir qual a melhor forma de ajudar seu(s) paciente(s).
  • Em caso de urgência médica, sabe-se exatamente a quem ligar.

Hoje no Brasil, já temos médicos que estão atuando desta forma, sabemos que não é um serviço barato, por ser particular e personalizado, mas que no cálculo final, acaba saindo pelo preço justo, visto que o mesmo, direcionará o paciente a realizar os exames corretos, diferente do modelo atual que sugere várias visitas à médicos que podem levar o paciente a executar vários exames e ou visitas desnecessárias.

Espero que tenham entendido um pouquinho sobre esta nova modalidade de atendimento médico domiciliar.

See you later!

Luciano R.

Dando a Volta na Crise

Por Eliézer Pimentel
 
O cenário econômico e político brasileiro vem passando por dificuldades e indecisões que há décadas não vivíamos. Uma preocupação generalizada com a crise que se instala no país. Os mais pessimistas dizem que o Brasil não tem mais jeito, está tudo acabado, que nem em dez anos vamos ser o que éramos no auge da estabilidade econômica. Já outros menos apavorados aceitam a crise e crêem que nos próximos dois anos tudo ficará bem, mas até lá, será “um tempo difícil”. Particularmente prefiro ver a “crise” sob uma ótica um tanto diferente e menos pessimista. Vamos lá: As empresas buscam maximizar seus resultados, normalmente, por dois caminhos; vendendo mais e enxugando custos. Como o cenário atual mostra que vender mais não é tarefa tão fácil, melhor então trabalhar na redução de custos. Reduzir custos se resume em cortar despesas e comprar com o menor preço, ganhando na margem de negociação.
 
Ferramentas de gestão de cotações e compras podem fazer diferença em um momento que requer cuidados e estratégias corretas para compra de materiais, produtos e serviços.
 
Todos no mercado de saúde sabem que o calcanhar de Aquiles nos custos de um hospital ou operadora de planos de saúde é sem dúvida o alto custo com OPME (Órteses, Próteses e Materiais Especiais), que representa uma boa parte dos gastos desse setor.
 
Uma plataforma de cotações e gerenciamento de compras de OPME, Materiais e Medicamentos dentro de um hospital ou operadora de saúde, pode trazer, além dos ganhos de performance com a organização de informações, controles de fluxo operacional, gestão de auditorias de compras, contratos etc, uma redução muito atrativa nos preços negociados com os fornecedores, gerando assim uma economia importante para a manutenção financeira da empresa.
 
Procure se informar com a CloudMed sobre a plataforma de cotações de OPME e MatMed e como essa ferramenta pode ser útil em um momento tão delicado que passa a economia de nosso país. 
 
Dê a volta na crise!
 
Até a próxima.

Conheça o Quick Index

O Quick Index é uma ferramenta de apoio ao GedWeb para facilitar e até mesmo automatizar o envio dos arquivos digitalizados. Com o Quick Index conseguimos enviar vários arquivos diretamente a solução do GedWeb, já organizados e com as informações pertinentes instantaneamente.

QuickIndex

Como ele funciona?

Para que o Quick Index funcione corretamente, o software de digitalização do scanner utilizado deverá ter a opção de gerar arquivos de índice. Esses arquivos são configurados diretamente no software do scanner, o qual irá conter os campos necessários referente ao tipo e modelo de documento que será indexado, juntamente com o local de exportação do arquivo configurado no scanner.

Caso o tipo de documento tenha algum modelo pré-configurado no GedWeb, os campos do arquivo de índice deverão ser iguais e com as configurações pertinentes.

Portanto, basta o arquivo de índice conter os campos necessários e o caminho local do arquivo que o QuickIndex indexará automaticamente os arquivos digitalizados.

O Quick Index é uma ferramenta essencial para que o processo de produção na digitalização de documentos seja eficaz. Suas possibilidades de configurações e parametrizações permitem que a digitalização em grande escala seja otimizada. O “diálogo” do Quick Index com o software do scanner utilizado, proporciona um ótimo desempenho, fazendo com que a exigência da demanda seja atendida de maneira ágil.

José Duarte – Unimed Jaú

Para saber mais sobre o GedWeb e suas funcionalidades, acesse o site do GedWeb e também nossa postagem do blog falando sobre GED.