Nano robôs atuando na saúde

Muitas mudanças acontecem no mundo tecnológico todos os dias, inclusive na área de saúde.

Entre as diversas inovações que estão sendo pesquisadas temos uma muito interessante: os Nano robôs. Apesar de ainda estar longe de ser utilizada nos dias de hoje, essa tecnologia já está sendo desenvolvida. Esses robôs poderiam funcionar como nossas células brancas e destruir bactérias ou serem utilizados até mesmo para quimioterapia, sendo 1000 vezes mais forte que o uso dos medicamentos e ainda não terem tantos efeitos colaterais para o paciente como é atualmente.

Esse tipo de tecnologia poderia ser aplicada até mesmo em reparos à nível celular, sendo possível combater bactérias, carregar oxigênio, criar coágulos de sangue para ferimentos e ainda reparar células.

O futuro dessa área está ficando cada dia mais inovador.

O Aumento das Buscas de Saúde na Internet

A massificação do acesso à Internet fez com que as informações estejam dispostas com facilidade e rapidez impressionantes. Hoje é raro quem não possui um smartphone, tablet, ou mesmo um computador. Com isso, as pessoas buscam informações onde e quando desejam.

O Grupo Minha Vida realiza anualmente uma pesquisa chamada “Jornada Digital do Paciente”. Nela, são analisados o comportamento dos entrevistados em relação à sua saúde. A pesquisa está em seu quarto ano e os resultados da atual versão são reveladores: 94% dos entrevistados alegaram fazer buscas na Internet referentes a assuntos de saúde. Os mais procurados são: alimentação, emagrecimento, doenças e tratamento.

É bastante comum (principalmente entre os jovens) a chamada pesquisa no “Dr. Google”, buscando por sintomas, tratamentos, diagnósticos e etc. No Brasil, sabemos que o acesso à saúde pública não é o mais fácil, fazendo com que as pessoas recorram à outras fontes de consulta. A esse respeito, é preciso muita cautela! Embora tenhamos ricas informações sobre saúde na rede, a ausência de exames clínicos e diagnóstico médico verdadeiro pode ser extremamente perigosa ao paciente, podendo levar (entre muitos problemas) à automedicação inadequada. Não há nenhum problema em pesquisar e procurar se inteirar de assuntos relacionados à saúde, contudo, o médico e os tratamentos clínicos adequados não devem ser substituídos, sob hipótese alguma, pelas pesquisas na internet.

Sobre os aplicativos de celulares, ainda segundo a Jornada Digital do Paciente, os mais procurados são sobre emagrecimento e prática de exercícios físicos em casa. Nota-se aqui um esforço pela saúde e bem-estar, mas é preciso tomar muito cuidado com a confiabilidade das informações recebidas, afinal, qualquer pessoa pode publicar o que deseja na Internet, sem necessariamente corresponder à realidade. Novamente, o auxílio profissional não pode ser substituído pelas ferramentas online.

Estes e outros assuntos abordados na pesquisa nos mostram o fator empoderador da Internet, mas também relatam o quanto as pessoas confiam nesta fonte de conhecimento. É preciso muita cautela, sobretudo no que diz respeito à doenças e tratamentos, e sempre consultar um profissional de saúde quando necessário.

Até a próxima!